Ricardo Bordalo Junqueiro (sócio) escreve um artigo para o Jornal Económico sobre a importância da privacidade e a constante monitorização a que estamos sujeitos.

"Sorria, está a ser vigiado! É possível que não seja novidade para si. E é provável que se lhe perguntarem se valoriza a sua privacidade, a resposta seja afirmativa. No entanto, confrontado com a decisão sobre conceder acesso aos seus dados para poder utilizar certos serviços, conforma-se e diz que sim.
Pode deduzir-se que para si a privacidade não é assim tão importante? Provavelmente não. O que o leva a decidir desta forma é sentir que não tem alternativa e não quer ficar de fora das possibilidades que a tecnologia proporciona. E, assim, os dados sobre o seu percurso na Internet, as suas pesquisas, as suas compras, o seu jogging, os seus trajetos de carro, a sua localização, as suas conversas nas redes sociais, entre outros, são por si cedidos às empresas que lhe prestam esses serviços (às vezes gratuitamente), autorizando-as a cedê-los a outras empresas e até a combinarem todos os dados sobre si."

Leia o artigo aqui.