Tiago Bessa (associado coordenador) é citado num artigo sobre pirataria e transmissões ilegais no âmbito do bloqueio pelos operadores e IGAC de duas mil transmissões ilegais de futebol.

Há várias componentes na equação que têm de ser consideradas; a questão legislativa e regulatória por si só não chega tem de haver uma componente comercial. O combate à pirataria também se pode fazer através de melhores ofertas comerciais, com mais qualidade, escolha e com preços mais competitivos. É a lógica do Netflix e do Spotify”.

Leia aqui o artigo.